Junto somos melhores

Imagem

Juntos somos Melhores (Rick Warren)

A natureza humana nos faz pensar em nós mesmos primeiro.

Fazemos o que é melhor para os nossos interesses,

sem prestar atenção em como isso afeta os outros.

Mas o verdadeiro amor coloca as necessidades dos outros antes das nossas.

Faz do problema do outro um problema seu.

Doa sem garantias de receber algo em troca.

Dá aos outros o que precisam e não o que merecem.

Não é um sentimento,

é uma escolha,

uma ação,

um comportamento,

um compromisso.

Amar é sacrificar-se pelos outros.

O amor verdadeiro requer conhecimento,

graça de Deus e muita, muita prática!

***“Nós amamos porque Ele nos amou primeiro” 1 João 4:19***

 Como praticar esse amor e essa consideração para com o próximo?

Procure maneiras,  se interesse pelo bem estar dos que estão a sua volta!

 

Godllywood

Imagem

Já tem algum tempo que não publico nada no Blog

Mas vou  recomeçar falando sobre um grupo que tem mudado

minha forma de ver o valor das mulheres.

Desde que o conheci meus valores mudaram muito e  para melhor

Ser moderna, se amar, valorizar a família  e amigos e  ter a essência de Deus.

São alguns dos atributos do grupo Godllywood.

Conheça-nos

http://www.godllywood.com/br/

Flor da honestidade

Flor da honestidade

 

Conta-se que por volta do ano 250 a.c, na China antiga, um príncipe da região norte do país, estava às vésperas de ser coroado imperador, mas, de acordo com a lei, ele deveria se casar.  

Sabendo disso, ele resolveu fazer uma “disputa” entre as moças da corte ou quem quer que se achasse digna de sua proposta.  No dia seguinte, o príncipe anunciou que receberia, numa celebração especial, todas as pretendentes e lançaria um desafio.  

Uma velha senhora, serva do palácio há muitos anos, ouvindo os comentários sobre os preparativos, sentiu uma leve tristeza, pois sabia que sua jovem filha nutria um sentimento de profundo amor pelo príncipe.  Ao chegar em casa e relatar o fato à jovem, espantou-se ao saber que ela pretendia ir à celebração, e indagou incrédula :  

– Minha filha, o que você fará lá? Estarão presentes todas as mais belas e ricas moças da corte.  Tire esta ideia insensata da cabeça, eu sei que você deve estar sofrendo, mas não torne o sofrimento uma loucura.  E a filha respondeu :  – Não, querida mãe, não estou sofrendo e muito menos louca, eu sei que jamais poderei ser a escolhida, mas é minha oportunidade de ficar pelo menos alguns momentos perto do príncipe, isto já me torna feliz.

 À noite, a jovem chegou ao palácio.  Lá estavam, de fato, todas as mais belas moças, com as mais belas roupas, com as mais belas joias e com as mais determinadas intenções.  Então, finalmente, o príncipe anunciou o desafio :  – Darei a cada uma de vocês, uma semente.  Aquela que, dentro de seis meses, me trouxer a mais bela flor, será escolhida minha esposa e futura imperatriz da china.  A proposta do príncipe não fugiu às profundas tradições daquele povo, que valorizava muito a especialidade de “cultivar” algo, sejam costumes, amizades, Relacionamentos etc…  

O tempo passou e a doce jovem, como não tinha muita habilidade nas artes da jardinagem, cuidava com muita paciência e ternura a sua semente, pois sabia que se a beleza da flores surgisse na mesma extensão de seu amor, ela não precisava se preocupar com o resultado.  Passaram-se três meses e nada surgiu.  A jovem tudo tentara, usara de todos os métodos que conhecia, mas nada havia nascido.  Dia após dia ela percebia cada vez mais longe o seu sonho, mas cada vez mais profundo o seu amor.  Por fim, os seis meses haviam passado e nada havia brotado.   Consciente do seu esforço e dedicação a moça comunicou a sua mãe que, independente das circunstâncias retornaria ao palácio, na data e hora combinadas, pois não pretendia nada além de mais alguns momentos na companhia do príncipe.  

Na hora marcada estava lá, com seu vaso vazio, bem como todas as outras pretendentes, cada uma com uma flor mais bela do que a outra, das mais variadas formas e cores.  Ela estava admirada, nunca havia presenciado tão bela cena.  Finalmente chega o momento esperado e o príncipe observa cada uma das pretendentes com muito cuidado e atenção.  Após passar por todas, uma a uma, ele anuncia o resultado e indica a bela jovem como sua futura esposa.  

As pessoas presentes tiveram as mais inesperadas reações.  Ninguém compreendeu porque ele havia escolhido justamente aquela que nada havia cultivado.  Então, calmamente o príncipe esclareceu :  

– Esta foi a única que cultivou a flor que a tornou digna de se tornar uma imperatriz.   A flor da honestidade, pois todas as sementes que entreguei eram estéreis.A honestidade é como uma flor tecida em fios de luz, que ilumina quem a cultiva e espalha claridade ao redor.

Inveja

Inveja“O “mais” acrescenta, o “mas” diminui!!!
 
Certo provérbio japonês diz que,
quando todos estavam elogiando a cauda do Pavão,
 os pássaros protestaram:
 “Mas olhem para as patas dele.”
 O invejoso é sempre aquele que estraga prazeres,
que tem sempre um “mas” para diminuir o outro,
como se o bem do outro ferisse ou viesse diminuir o seu.
 Quando a gente está com vontade de dizer um
“mas”, é melhor pensar bem: por que estou
 querendo dar uma de diferente, de contraditório?
 Tem alguma vantagem, ou é apenas para
manifestar a minha pontinha de inveja,de mal-estar?

Sorte ou competência

É interessante a pessoa falar que sorte é quando
competência e oportunidade se encontram.
É preciso saber perceber a oportunidade,
e esse poder de percepção pode ser aprendido…
é nescessario saber enxergar numa situação aquele diferencial que
escapa aos olhos de quem é preconceituoso e convive com
paradigmas superados.

Certa vez, um homem ia com um companheiro pela estrada.
enquanto conversavam, a cada instante o homem se abaixava,
descobrindo sob a poeira ora um anel ora um colar de ouro ou de
pedras preciosas. o amigo, atônito, perguntou ao homem:
– mas que estranho dom miraculoso é esse que faz você ver coisas
que eu não sou capaz de enxergar?
– ora, não há nada de miraculoso – respondeu o homem. – quando
estive preso numa cela totalmente escura, para não enlouquecer
usei uma técnica: jogava cinco alfinetes a esmo no chão e não
descansava enquanto não os encontrava. com isso desenvolvi minha
capacidade de percepção.
Essa história nos ensina que muitas vezes o que chamamos de
sorte, boa estrela e intuição são apenas fruto do desenvolvimento
de uma percepção acurada e de muita disposição e persistência para
realizar.

A xícara ou o chá

Um grupo de obreiros, todos muito bem estabelecidos profissionalmente,
se reuniu para visitar um antigo pastor que havia passado na igreja que eles frequentavam.
Em pouco tempo,a conversa girava em torno de queixas de estresse no trabalho,alguns problemas familiares,físicos  e na vida como um todo.
Ao oferecer chá aos seus convidados, o pastor foi à cozinha e
retornou com um grande bule e uma variedade de xícaras de porcelana,
plástico, vidro, cristal; algumas simples, outras caras, outras requintadas,
dizendo a todos para se servirem. Quando todos os obreiros estavam de xícara em punho,
o pastor disse: “Se vocês repararem pegaram todas as xícaras bonitas e deixaram as simples para trás.
Não está errado querer o melhor para si… mas, muitas vezes, esta é a fonte dos maiores problemas!!
Vocês podem ter certeza de que a xícara em si não adiciona qualidade nenhuma ao chá.
Na maioria das vezes, são apenas mais caras e, algumas vezes, até ocultam o que estamos bebendo”.
O que todos realmente queriam era o chá, não as xícaras, mas escolheram, conscientemente,
as melhores xícaras…
Agora, pensem nisso: a vida  com Deus é o chá. Empregos, dinheiro e posição social são as xícaras.
Elas são apenas ferramentas para sustentar e conter a vida.
Às vezes, ao nos concentrarmos apenas na xícara,
deixamos de saborear o chá.
Portanto nunca deixe de saborear o seu chá,ou seja sua vida com  Deus!
– desconheço o autor –

Morada Celestial

Certo cristão muito rico morreu e foi recebido no céu.
Um dos anjos o levou por várias ruas celestiais e foi
lhe mostrando as casas e moradias. Passaram por uma
linda casa com belos jardins. O homem perguntou:
“Quem mora aí?” O anjo respondeu: “É o João,
seu motorista que morreu no ano passado firme na fé”.
O homem ficou pensando:

“Puxa! A morada celestial
do João é linda”
Logo a seguir surgiu outra casa ainda mais bonita.
“E aqui, quem mora”? – perguntou o homem.
O anjo respondeu: “Aqui é a casa da Ana,
aquela que foi sua cozinheira,mulher de oração”.

O homem ficou
imaginando que, tendo seus empregados magníficas
residências, sua morada deveria ser no mínimo um
palácio. Estava ansioso por vê-la.
Nisso o anjo parou diante de um humilde barraco construído
com tábuas e disse: “Esta é a sua casa”! O homem ficou
indignado: “Como é possível! Vocês sabem construir
coisa muito melhor”. “Sabemos” – responde o anjo,
“mas nós construímos apenas a casa. O material é
você mesmo que seleciona e nos envia lá de baixo.
E Você…só enviou isso”!
Moral da história:
Cada atitude de amor e fé é um tijolo
com o qual construímos a eternidade.
Tudo se decide por aqui mesmo,
nas escolhas e atitudes de cada dia.
– desconheço o autor –

Entradas Mais Antigas Anteriores